Jovens do Pode Crer aprendem algoritmos e inteligência artificial em projeto da UFSC

Trata-se da iniciativa Computação na Escola, que tem beneficado cerca de 100 jovens do Pode Crer neste ano.

Uma porta de entrada para o futuro. Assim podem ser descritos os cursos de computação para jovens estudantes oferecidos pelo projeto Computação na Escola, da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), que tem mergulhado em tópicos como Inteligência Artificial, Animação 3D, e mais recentemente, integração do ChatGPT a aplicativos. A iniciativa está atendendo, hoje, cerca de 100 jovens do Pode Crer, com idade entre 14 e 18 anos, mas tem mais de 250 jovens já inspirados pelas suas ferramentas.

Além do Instituto Pe. Vilson Groh, alunos de escolas públicas de ensino fundamental e de institutos federais no ensino médio também acessam o conteúdo oferecido pelo projeto da UFSC, que é vinculado ao Departamento de Informática e Estatística.

“Nossa visão é que todos os alunos em todas as escolas devem ter a oportunidade de aprender computação”, pontua a professora Christiane Gresse von Wangenheim. 

O sucesso da iniciativa fez com que o projeto disponibilizasse seu conteúdo para possibilitar um amplo aproveitamento do resultado das pesquisas, de forma gratuita e online (aqui). “Levando em consideração a importância tanto da computação de forma geral quanto da Inteligência Artificial nas nossas vidas é essencial democratizar o conhecimento sobre estas tecnologias para possibilitar os jovens a não somente usar essas tecnologias de forma consciente mas também para  capacitar os alunos a se tornarem criadores de artefatos de TI”, complementa a professora.

De acordo com Christiane, a iniciativa aposta no ensino de conceitos de algoritmos e programação, design de interface, engenharia de software ágil e animação. Mais recentemente, diante da crescente importância da Inteligência Artificial também passou a trabalhar com os conceitos de Machine Learning.  

A proposta tem como base as metodologias ativas: os estudantes aprendem de forma prática. Ao final, além de criar seus próprios modelos de Machine Learning, eles podem desenvolver aplicações inteligentes para resolver problemas criativamente e discutir criticamente questões éticas e seus impactos “Pelo avanço muito rápido principalmente na área de Inteligência Artificial estamos constantemente atualizando e complementando estes cursos com novas tecnologias e soluções que estão surgindo”, conta.

Cooperacão tem beneficiado jovens do Pode Crer

Com relação ao Programa Pode Crer, a professora destaca que a cooperação também promove a inclusão social. “Os primeiros resultados mostram que a aproximação com a iniciativa Computação na Escola da UFSC motivou os alunos a procurar em maiores números o vestibular para cursos superiores na UFSC, como também fornecendo oportunidades como a seleção de jovens aprendizes e contratação em empresas de TI em Florianópolis”, pontua.

Em julho, mais de 80 estudantes do projeto foram apresentados ao mundo da animação 3D com captura de movimento. Usando o DeepMotion, uma ferramenta online alimentada por IA, eles aprenderam a criar animações em 3D capturando seus movimentos a partir de vídeos gravados com seus smartphones. No segundo semestre as atividades continuam, com cursos disponíveis e acessíveis no site https://cursos.computacaonaescola.ufsc.br/

“Além de uma nova experiência, é algo fácil, não é preciso de muito para aprender, simples e prático, recomendaria para todo mundo que queria iniciar algo relacionado a animação”, avaliou uma aluna após a conclusão do curso de animação. “Antes do Pode Crer, eu via a tecnologia como algo apenas por diversão, mas depois de começar o curso, percebi que poderia ser a minha carreira profissional, meu futuro”, assinalou outro jovem, concluinte do curso de Machine Learning.

A iniciativa também vai ao encontro de uma demanda do mercado. Em julho, um estudo divulgado pela Google indicou um déficit de 530 mil profissionais de Tecnologia da Informação no Brasil. “Oportunizar esses temas é importante inclusive para a participação social e econômica dos jovens, considerando também as emergentes oportunidades para profissionais de IA”, pontua a professora.

Informações originais da Agência de Comunicação da Universidade Federal de Santa Catarina. Link.

Mais informações:
Lucieni Braun (Gerência Executiva): lbraun@redeivg.org.br / (48) 3039-1828
Lucano Brito (Comunicação e Marketing): lucano@redeivg.org.br / (48) 99109-3918
Adriana Laffin (Assessoria de Imprensa): adriana@apoiocomunicacao.com.br / (48) 99998-7675

Fique por dentro das novidades da Rede IVG!

Últimas notícias

Amigos da Guiné-Bissau - África - Instituto Pe. Vilson Groh
Túlio Dias assumiu a presidência dos Amigos da Guiné-Bissau com a missão de avançar nas demandas da ONG
2024_02_26_Visita da Consul Italiana 3
Visita ocorreu na última segunda (26). É a primeira vez que Eugenia Berti vem a Florianópolis para conhecer o Instituto
É uma imagem azulada, com uma mulher jovens, de cabelos lisos escuros e pele morena, sorrindo. Ela está vestindo um casaco preto de couro sobre uma camiseta branca. Ao lado do rosto dela, há o letreiro: Programa Pode Crer em tamanho médio; abaixo dele, o logotipo do IVG num tamanho menor.
Pode Crer em 2024 inicia em março, com oficinas na Associação João Paulo II e no Centro Cultural Anastácia
plugins premium WordPress